O que é arte?

Desde a pré história, o homem primitivo deixa sua marca espiritual, evidente nas cavernas pela pintura arcaica – arte rupestre. Batalhas, animais, tribos, a luz solar…. e tantas outras percepções da realidade.

Podemos compreender arte como expressão do espírito humano, visando na estética uma linguagem capaz e com o intuito de expressar sentimentos, ideias e percepções do mundo ou metafísica. Vemos na arquitetura, desenho, escultura, pintura, escrita, música, dança, teatro e cinema as principais áreas de atuação que muitas vezes se misturam, se embelezam e acrescentam sentidos variados. 

A arte possui duas vertentes: a arte utilitária e as belas artes. A primeira não possui um sentido estético como fundo principal. Copos, garfos, pratos são exemplos simples de arte utilitária, utilizamos cotidianamente com o intuito de facilitar nossa existência e nem nos damos conta que é arte. As belas artes difere do sentido prático/necessário; pois você não precisa de música, cinema ou outra expressão artística para viver, porém é o que colore nossa alma, nos instiga a sentimentos, reflexões, mudança de humor, estado físico e espiritual entre tantos outros fenômenos inefáveis que só a arte nos possibilita. 

Mas o que está acontecendo hoje?

Vejo discussões sobre o que é ou não arte ao depararmos com “peças de teatro” que não produz beleza e reflexão mas apenas crimes segundo nosso código penal. O surgimento de “músicas” na qual não há harmonia, melodias desafinadas e empobrecidas, rítmica e timbres industriais CONTROL C / CONTROL V, mas por “defenderem” algum aspecto político, gênero, “minorias” ou qualquer outra bobagem dada como argumento na tentativa de silenciar a crítica (já que não há o mínimo talento e conhecimento real artístico), assistimos paralisados e atônicos tudo que é pobre e feio assumir a cultura como um padrão. Brasil, patria que gestou Tom Jobim, Villa-Lobos (só para citar na música) e ver o abismo do nosso tempo….que tristeza. 

É notório observar que o mundo está perdendo suas referências estéticas. O feio, o triste, o que não enobrece a alma ganha cada vez mais espaço cultural enquanto o belo busca um espaço exprimido em poucos canais de comunicação. 

Acredito que nós artistas e consumidores de arte devemos mudar este panorama urgentemente para o bem da nossa civilização. O ponto central é distinguir belas artes do que é apenas grotesca expressão de mau gosto e mediocridade sustentada por grupos específicos com interesses escusos (não é teoria da conspiração). 

Em fim, sobre toda discussão contemporânea sobre o que é ou não arte simplifico: Estando exposto a uma expressão artística ela é capaz de nos transformar positivamente? Nos aproxima do criador? Nos faz refletir a condição humana/social? Nos traz a luz da verdade? Se preciso questionar-me se realmente se é arte, provavelmente não é arte ou é instrumento inegável de seres obtusos. 

Você não tem tempo?

Quem nunca usou aquela velha e desgastada desculpa “mas eu não tenho tempo para…”, com certeza não é da raça humana. Porém vamos lá, já viu alguém ter mais ou menos do que 24hs em um dia?

Na verdade a típica frase acima citada “não tenho tempo” deveria ser traduzida para “não foi/é prioridade…”, mais honesto e sincero. Como havia dito, todos nós vivemos sobre o mesmo prisma temporal, porém o segredo dos bem sucedidos é: PRIORIDADES!

Quem não é capaz de programar sua semana e dias com disciplina e rigor, verá jorrar o tempo desperdiçado com bobagens que não acrescenta, apenas faz perder o foco. Vejo muitos cursantes e raríssimos estudantes, aqueles que realmente se debruçam nos estudos por horas diárias….a desculpa é sempre a mesma. Será que o mundo quer ouvir nossas desculpas ou espera os nossos resultados?

Atualmente temos que nos precaver pois há incontáveis fontes de distrações: celular, redes sociais, televisão, jogos eletrônicos, internet. Não tenho dúvida que estes meios tecnológicos podem e devem ser utilizados poupando-nos tempo além da praticidade, porém como você utiliza estes recursos? Obviamente precisamos de lazer, espairecer a mente porém vejo muito mais fuga e alienação do que o uso inteligente destes meios.

Ensino meus alunos que é necessário termos objetivos bem definidos na vida, colocando as metas anuais que devemos cumprir, dividindo-as em meses, semanas e dias suas devidas execuções e já com horário marcado para que não ocorra a procrastinação. Eu mesmo sou muito exigente comigo mesmo, porém felicito-me ao término de cada ano verificar que minhas metas ficam em torno de quase 100% concluídas.

Trabalho, auto-aperfeiçoamento, família, espiritualidade, lazer e saúde. Estas são as categorias que destino meu tempo. Penso como metáfora a afinação de uma guitarra, deve estar bem afinada para que os acordes e melodias expressem com suavidade e perfeição. Assim sendo, nem muito apertado nem muito frouxo, cada corda precisa estar em equilíbrio com as demais….afinar nossa vida também é equilibrar nossos compromissos e objetivos.

Faça uma varredura no seu dia.
Quais os vícios e pontos de desperdícios de tempo? Catalogue-os, paute-se, comece a mudar AGORA, pois o tempo passa rápido e nossas escolhas são artífices do nosso amanhã. Pois o sucesso e o insucesso provém sempre do nosso próprio mérito e devemos começar a ser mais sinceros conosco…afinal quais são as suas prioridades?

O Brasil tem jeito?

Você vive isolado em uma caverna provendo todas as suas necessidades?
Se acabou de ler isso certamente não, pois este texto está em uma plataforma digital na qual só é acessível por vias tecnológicas – internet. Pois bem, assim sendo, bem vindo a sociedade – o deserto do real (parafraseando o filme Matrix).

Vamos lá. Vivemos em sociedade, como sócios no qual provem o significado, mas para viver em harmonia criamos regras e elegemos pessoas para nos representar e conduzir a pólis (do grego cidade), e assim fazemos política, discutindo o que é melhor e mais justo.

Em uma democracia sadia é notório que não basta direito ao voto, é essencial transparência e rodízio de poder. É elementar sintonia entre povo e o parlamento nos princípios e ideais, mas é o que ocorre em nosso país? Não é necessário mencionar que o nível de competência e honestidade dos mesmos deveria ser altíssimo, pois o alto cargo lhes da os meios de poder e acesso a fortunas de impostos; mas se a mesma classe política hoje fosse buscar um emprego (como nós meros mortais), quantos seriam contratados por qualificação e competência?

A incompetência e má gerência recai na qualidade oferecida em educação, saúde, saneamento básico, segurança pública…descaso e omissão de um governo que gasta muito mais do que arrecada, ineficiente e de conduta execrável. O político é um servidor público e deve servir o povo, contribuindo com o melhor de suas faculdades visando sempre o bem em comum e não se apropriando das riquezas da pátria.

Mas existe uma solução para o Brasil?
Não acredite em promessas e soluções fáceis!!!! Minhas sugestões:

1 -Primeiramente acredito que dissolver todos os partidos políticos seria o processo inicial. Propor um nível mínimo de aptidão e formação intelectual (graduação, mestrado, especializações…) para que qualquer cidadão pudesse concorrer a um cargo público político, sendo avaliado por uma prova e análise curricular com total transparência….que vença o mais capaz e que melhor possa representar e gerenciar.
2- Fim de salários escandalosos com aposentadorias milionárias, assessores mil e tantos benefícios ilimitados. Ninguém deve entrar na política para enriquecer fazendo do seu cargo uma rifa, lobby para se beneficiar.
3- Fim do foro privilegiado. O político tem que dar exemplo e se for pego em atividade corruptiva deve pegar 15 anos de cadeia inafiançável com todos os seus direitos políticos cassados, lhe retirando definitivamente da política e qualquer cargo público.
4- Enxugar o número de ministérios, deputados, senadores e vereadores poupando bilhões e diminuindo burocracias.
5- O poder judiciário assim como ministros jamais poderá ser por indicação. Segue concurso público e análise curricular.
6- A classe política deve receber um número de salários mínimos condizente com o labor, tendo apenas o reajuste do salário proporcional ao aumento geral do salário mínimo, assim sendo, jamais poderia estar em pauta aumento particular do próprio salário da categoria.
7- Privatizar com total transparência empresas que apenas realizam prejuízo pela péssima gestão e cabides empregatícios.

É óbvio que haveria inúmeras pendências a serem corrigidas mas com estas medidas em vigor, certamente modificaria substancialmente os rumos da nação.
Voltando a realidade, sejamos sensatos e honestos. Você acredita em urnas eletrônicas? Acredita que é possível eleger um presidente em 2018 competente e honesto para governar? Se ocorresse este milagre, como governar com tantos ratos corroendo nossa pátria no poder trabalhando em causa própria?

Em suma, somos governados em sua maioria por criminosos, que lesam a pátria, dilapidam nossas riquezas e tolhem nossas liberdades – gangsters, incapazes e psicopatas….mas o Brasil tem jeito, e o jeito é sair do comodismo, entender a realidade e reivindicar o que é nosso.

Se gostou destas medidas propostas e texto compartilhe… não esqueça de assistir o vídeo no Youtube e também assista todos os vídeos na descrição. Tenho certeza que em um mês mudará seus paradigmas.

Educação, vestibular e autoconhecimento

O que você vai ser quando crescer? E agora, o que você vai prestar no vestibular?

Quem nunca foi interrogado acerca destas questões acredito que ainda não tenha nascido ou ainda é infante, mas a questão central é: fomos realmente educados para nos conhecer?
Sócrates mencionara a importância do autoconhecimento afim de podermos conduzir nossas vidas com maestria e assertividade.

Mas vamos lá. Afinal o que supostamente aprendemos e absorvemos nas escolas? Saimos de lá aptos para compreender nosso mundo e realidade? Enxergamos quem realmente somos e qual o caminho a prosseguir? Estamos aptos a conseguir um emprego ou continuar nossos estudos e aprendizado formal ou informal com discernimento e tranquilidade sem sufocos?

Infelizmente em mais de vinte anos focado na educação vejo anualmente a dúvida assolar a alma dos meus alunos e de seus companheiros. Saem com a cabeça cheia de conhecimentos fragmentados de uma série de disciplinas – equações, mol, advérbios, doutrinação histórica, cadeia de DNA; mas não conseguem compreender a conexão entre as disciplinas, a aplicação destes conhecimentos, como funciona nosso sistema de governo, econômico, cartório entre tantas coisas indispensáveis….além de não se conhecerem.

O grande e notório problema é a incursão de um público em sua maioria jovem nas universidades, sem preparo e amadurecimento e que desconhecem sua vocação. Lotam cursos de direito e medicina (principalmente) com o intuito de ter uma vida financeira melhor por acreditarem que serão bem sucedidos. Mas sem vocação e amor?!

Queridos amigos, compreendam uma coisa, casos isolados de estrondoso sucesso não podem ser levados como regra. Não é porque o Neymar no futebol ganha milhões que todos os jogadores de futebol possuem a mesma notoriedade, contratos milionários…etc; ao contrário, de todos os que se aventuram nos esportes, quantos realmente conquistam este patamar? Assim vejo o mesmo no mundo da música, medicina, direito, arquitetura….em fim, todas as disciplinas.

Em suma, escolher nosso caminho profissional deve estar intimamente ligado com a nossa vocação, no que temos paixão em estudar, se aprofundar, pesquisar, nos sentindo imensamente felizes ao conseguir melhor compreender e se especializar. O mercado está cada vez mais seletivo e não haverá lugar para maus profissionais, que não se dedicam além do remunerado. Somente os que conhece a si mesmos, saberá fazer as escolhas acertadas e por conseguinte obter os resultados que almeja ao seu tempo, gozando dos frutos colhidos de uma vida mais feliz.

Música nas escolas

Vários amigos, pais e alunos me questionam se deveria inserir na grade curricular a arte musical na formação escolar, já que sou professor da área e também filósofo. Mas sinceramente você acredita que a resposta é simples? Seria apenas um sim ou um não?

Sem sombra de dúvidas seria fantástico a arte musical englobar o currículo escolar, pois a música trabalha os dois hemisférios do cérebro, aumentando a percepção e a inteligência do indivíduo… porém, eu disse PORÉM: Qual a qualidade do profissional e conteúdo que pretenderá ser abordado?

Não precisa ser um Eisten para deduzir que nossos governos não possuem o menor compromisso com a qualidade de ensino, é verossímil mencionar que não medem esforços para prejudicar com conteúdos duvidosos, professores inexperientes e/ou sem autonomia, aprovação automática entre outras perfídia.

A música evoca sentimentos, desejos, reflexões, inspira, amedronta, enaltece o espírito ou nos rebaixa apenas aos sentimentos e desejos mais primitivos e este é meu receio. Vemos a proliferação do dito “funk” ganhar cada vez mais espaço e vos pergunto: O que estas músicas evocam? Qual a qualidade ritmica, harmonica, melódica? O que as letras sugerem? A palavra educação significa “guiar para fora” no sentido de trazer o que há de melhor do indivíduo para fora que é justamente o oposto de Seduzir que significa corromper. Com esta dita “cultura”que nos é despejada por todos os meios de comunicação com o intuito de emburrecer e embrutecer para mais fácil ser dominada – qual repertório acredita que será inserido nas escolas?

Um caminho seguro para o ensino musical é pautado sob bases sólidas. A apreciação do erudito, compreensão rítimica, harmônica e melódica, teoria, prática de instrumentos, estudar a riqueza real da nossa música, bossa nova, samba, maracatu, baião entre tantos estilos bem elaborados…. seria com certeza fantástico. Mas devemos perguntar, este será o objetivo destes governos? Haverá profissionais bem formados para executar grandiosa tarefa? Ou simplesmente será mais uma aula de doutrinação com músicas (se é que assim posso denominar), seduzindo a juventude a ser escravos de si mesmos, de seus desejos e impulsos primários.

Pude observar o descaso com a disciplina filosofia ao ser implantada nas escolas por professores incapazes, despreparados e sem a mínima ideia de conteúdo programático adequado e didática (desculpe a exceção), e acredito que não será diferente infelizmente com a abordagem da música.

Superação

Quem não passa por problemas? Travas mentais, medos, dúvidas, angústias? 

Viver é um processo de alegria e dor, inconstâncias, mas acima de tudo aprendizado e superação!

Há momentos em que a vida nos remete para fora da zona de conforto,. Nossos paradigmas, nossas verdades, nossa vitórias são estilhaçadas e somos convidados a repensar nossos caminhos, nosso íntimo; se torna primordial…porém com a vida em movimento. O sentimento de deserção, ingratidão, até mesmo raiva em diversas situações se torna comum. A grande maioria se faz de vítima das circunstâncias e preferem olhar a vida alheia criticando o sucesso alheio já que não vê em si forças para superar suas dificuldades de todas as ordens.

Superação só é possível quando realmente queremos mudar e nos colocamos como protagonistas da própria existência, o ator principal detentor de coragem suficiente para correr os riscos necessários, sendo disciplinado e humilde para pedir auxílio quando necessário, mas buscando ações claras e continuada, ou seja, sem ficar encostado no sofá e/ou colocando a própria responsabilidade em outras mãos.

O aprendizado geralmente ocorre na dor, pois somos incapazes (na grande maioria das vezes) de buscar mudanças positivas quando estamos em condição favorável. Não acreditamos que podemos melhorar ou passar por intempéries. 

Para superar-se é primordial possuir uma visão real de si mesmo, um objetivo de mudança possível, metas alcançáveis e disciplina diária, revendo o avanço semanalmente. Seja perseverante, pense a longo prazo, mantenha a fé em si mesmo… não esqueça que a caridade começa consigo mesmo, portanto cobre resultados sustentados na coerência.

Lembre-se sempre que o medo é um péssimo conselheiro e o comodismo atrofia nossas pernas, oxida nossos sonhos, fragilizando nossas capacidades de se melhorar e reinventar-se a cada dia.

Se supere!!!! 

Mitos e verdades sobre aprendizado musical.

Comecei minha estrada na qualidade de professor em 1996 quando tinha apenas meus 16 anos. Mas certas perguntas (as vezes em forma de afirmações), ainda ecoam diariamente em minha direção: “Precisa nascer com o dom”, “tem que iniciar criança, se não esquece”, “aaaa é questão de genética”, “talento, ou nasce ou esquece”; além de perguntas subjetivas: Quanto tempo demora pra eu tocar muito bem?

Bom amigos, vos pergunto: Conhece alguém que nasce falando alguma língua? Português, inglês, alemão, francês…. ou outra qualquer? O aprendizado é longo e incessante, alias, não deslizamos até hoje na nossa língua portuguesa mesmo depois de tantos anos de fluência, seja falando ou escrevendo?

Existem pessoas que possuem naturalmente maior aptidão em determinadas áreas do saber, (tendo a música como exemplo), devemos lembrar que é um processo longo de alfabetização. Saber falar, ouvir, ler e escrever “música”, dura uma vida toda…somos sempre aprendizes, mesmo sendo professores. Quando me perguntam se é necessário dom, advirto que como disse acima, ninguém nasce falando uma língua, se aprende…assim também é na música; dom, só se for o da paciência, disciplina, humildade e perseverança.

No processo de aprendizado, as crianças levam vantagem por não conter pré-conceitos e vícios negativos/travas mentais (copo vazio), porém a facilidade de distração somado a preguiça da maioria emperra o desenvolvimento (os pais precisam auxiliar nisso). Os adolescentes e adultos possuem maior habilidade mental e condições de sinapse já que possuem memórias de aprendizado muito maior, porém muitos se amedrontam e desconfiam da própria capacidade (copo cheio). Quanto ao tempo de duração do ensino/aprendizado é impossível precisar, pois cada um possui naturalmente suas facilidades/aptidões e dificuldades – e como poderemos saber de antemão a dedicação desprendida diariamente para os estudos subjetivamente?

Em suma. Sem conversinha, historinhas e desculpinhas. Quer aprender música? Lembre-se do processo de alfabetização que mencionei: falar, ler, escrever e ouvir. Faça portanto um roteiro de estudos claro, buscando disciplina e eficiência… não acredite em milagres, atalhos, inatismo e sorte; trabalhe com objetivos e metas sensatas e os resultados virão. Procure um professor sério, instruído com boa metodologia e didática afim de auxiliar-te em sua longa caminhada.

Qualquer pessoa pode aprender uma nova língua, desde que esteja realmente disposta e engajada. Nunca é tarde para começar!!!!

Sucesso e reconhecimento

Nós brasileiros precisamos de uma boa dose socrática afim de conhecer os conceitos que permeiam nossa linguagem, por distorcer constantemente o significado das palavras. Um dos conceitos que acredito serem bastante pertinentes debater é a diferença entre sucesso e reconhecimento.

A melhor expressão encontrada no dicionário para o sucesso é êxito e prosperidade, enquanto a palavra reconhecimento (tomemos no sentido fama), notabilidade e reputação.

Pessoalmente afirmo ter experiências de sucesso em alguns setores, fracassos em outros e momentos de reconhecimento, seja por instituições e empresas, ou mesmo pelo público. Mas para o senso comum sucesso é fama, estrelato, estar constantemente na mídia, ser imitado ou invejado.

Obter sucesso é completar com êxito um determinado objetivo. Se formar em uma área, escrever um livro, compor uma música, conseguir o emprego que tanto almejava….isso é sucesso. Muitas vezes ninguém irá reconhecer isso, não sairá nos jornais, ninguém te dará um tapinhas nas costas… sempre foi entre você e seu íntimo. Imagine um médico após realizar uma cirurgia com risco de fatalidade e ser bem sucedido na operação salvando seu paciente; o que importa: O feito ou os aplausos?

Incontáveis são os desertores dos próprios sonhos, da carreira, por confundir estes conceitos. Sucesso não é “encher as burras” de dinheiro e ser reconhecido em todos os lugares… quem busca isso são as almas vaidosas que necessitam se auto-afirmar. Conheço pessoas de diversas áreas extremamente bem sucedidas e anônimas na multidão, realizando trabalhos incríveis que certamente mudam a sociedade para um nível superior e é isso que importa.

Em suma, respeite seu tempo, seus limites. Faça um planejamento e crie metas alcançáveis sendo disciplinado, aprendendo a comemorar as pequenas realizações do percurso e repensar derrotas recalculando a trajetória e estratégia…e o mais importante é você mesmo reconhecer seus feitos, o quanto evoluiu na jornada, pois a fama muitas vezes é forjada ou passageira e o que importa é a sua contribuição…a maioria desiste no começo, não se esqueça; portanto celebre suas vitórias!

Encerro com o brilhante e ímpar filósofo Aristóteles “O fim da vida não é receber honrarias, mas sim merece-las”.

Busque merece-las!

Endorse

Apoiar, promover, patrocinar, endossar… essas são geralmente as traduções que melhor exprime a tão sonhada verbete para a grande maioria dos músicos… ser endorse, ou traduzindo, ser apoiado por alguma grande marca.

Mas afinal o que é ser um endorse?

Quais as responsabilidades?

Tarefas? Contratos?

O que isso muda em minha carreira?

Queridos amigos, saia um pouco da matrix, deixe seu instrumento um pouco de lado e vamos falar de negócios. Por que alguém ou alguma marca vai apoiá-lo? Quais seus diferenciais? Seus trabalhos publicados? Sua capacidade de liderança e opinião tendo validade e referência para outras pessoas?

O que devemos compreender é que música não é só arte e expressão do espírito mas sim, NEGÓCIO! Existe portanto uma equipe de Marketing (mercado), que analisa todos os projetos, material enviado, curriculum…selecionando os que acredita possuir maior credibilidade, alcance e a qualidade de modificar positivamente a opinião alheia consumindo determinado serviço ou produto da marca/empresa.

A primeira coisa que digo é: não tenha ilusão! Ter apoio não significa sucesso, “burro na sombra” ou outra expressão, o apoio surge quando é INTERESSANTE para a marca primeiramente – jamais se esqueça disso! Para ter apoio é necessário criar valores; músicas publicadas, livros, matérias em revistas especializadas, site, canais de comunicação em redes sociais com grande visibilidade…

Outro ponto importantíssimo, ser apoiado é uma via de mão dupla – você apoia também esta marca? Conhece os produtos profundamente? As possuí ou teria total tranquilidade em pagar para poder adquirir estes produtos? Pois seu nome estará vinculado a marca e você jura mesmo que vai sair com a foto daquela guitarra que despreza de todo coração e acaba ainda usando uma outra no show?! COERÊNCIA!!!!

Em minha carreira pude presenciar músicos que trocam de endossamento como trocam de roupa, isso é péssimo para ambos, marca e músico. Lembrando que cada empresa possui um tipo diferente de endossamento. Algumas possuem caixa financeiro para dar equipamentos, outras porcentagens excelentes de compra, há as que dão condição de revenda e lucro de equipamentos… questão de perfil, diálogo e oportunidade. 

Em suma. Tudo é uma troca. Procure primeiramente gerar valor, ampliar a linguagem, ter um excelente material para enviar de preferência pessoalmente as equipes de marketing, prepare o seu melhor português, tenha a coerência de conhecer profundamente o que quer e gostando do que irá adquirir…. e se prepare para um NÃO! Exato, não pense que será fácil, mas acredite sempre em si mesmo e no que está produzindo pois este é o primeiro passo, como alguém vai apoiá-lo se você mesmo não confia em seu próprio trabalho??? 

Uma dica extra: Qual o melhor momento de buscar uma nova oportunidade de trabalho? Quando está bem empregado; ou seja, faça seu caminho o melhor que puder buscando atrair olhares empresariais… sua barganha de negociação será sempre muito melhor!

Acesse também o link e assista o vídeo referente a este tema:

Como estudar

Tendo um equipamento básico e bem regulado, siga os tópicos.

Alongamento:

Nem todos os profissionais da área musical tem a consciência da grande importância dessa prática. O único instrumento musical feito para o ser humano é a voz, pois é inato, todos os outros necessitam de adaptação física.

O alongamento previne a L.E.R. (lesão por esforço repetitivo), usam essa denominação porque são várias doenças desencadeadas por pequenos traumas causados por esforços que são repetidos indefinidamente. Essas lesões podem ocasionar diversas inflamações na região do punho, dedos, tendões, epicondrios e nervos, que vão levar a estados conhecidos como tendinite, sinovites, e síndromes.

A dor que a L.E.R. ocasiona tem uma característica migratória, isto é, quando o quadro começa a piorar, a dor sai desse foco inicial (mão, pulso e antebraço) e atinge o cotovelo, o ombro e até o pescoço. É necessário sempre relaxar os ombros, braços, antebraços, mãos e dedos, pois esses membros têm como objetivo simplesmente conduzir energia e não produzir energia excessiva.

Sendo assim, é melhor prevenir-se, pois não existem remédios 100% satisfatórios para esses traumas, e não raro, abandonar a prática musical.

 

Acomode-se:

Ao estudar coloque-se de forma bem confortável, tomando muito cuidado com a coluna e com o pescoço, pois dependendo da sua postura (seja em pé ou sentado) poderá acarretar diversas dores e complicações desnecessárias. Utilize uma cadeira com encosto se for tocar sentado ou regule a correia para que o instrumento fique em uma altura adequada caso toque em pé.

 

Local:

O aspecto fundamental é o silêncio. TVs e Rádios ligados (por exemplo) servem apenas para desconcentrar, assim sendo, o estudo ficará disperso, consequentemente estudará errado.

 

Tempo:

Não existe um tempo padrão/fixo, pois cada estudante necessita de um tempo X para assimilar determinado conhecimento (isso tratando de qualquer disciplina).  Acredito que o iniciante deve estudar no mínimo 120 minutos por dia, lembrando que se o tempo de estudo de costume for bem inferior ao exposto, deve-se aumentar devagar a carga horária para não prejudicar tendões e articulações.

Lembre-se que o tempo de estudo dos músicos profissionais chegam a números bem superiores a este tempo predestinado e estudar música não é somente um estudo prático com o instrumento, mas também teórico, rítmico, harmônico, etc.

 

Andamento e nitidez:

Esteja sempre atento, compenetrado, tomando sempre cuidado com as posturas de ambas as mãos, procurando a nitidez das mensagens musicais. Existem exercícios e músicas com o andamento (a velocidade da música) muito superior do que você pode executar, portanto comece estudando devagar até aumentar gradativamente o andamento visando à nitidez. Lembre-se, não se pode correr se não se sabe andar,

 

O que estudar:

Dose seu exercício diário em partes: teoria, harmonia, exercícios técnicos, ritmo, improvisação… dando maior ênfase nos tópico que apresentam maior dificuldade, pois esses necessitam maior atenção para atingir a suposta perfeição.